Resenha: A Metamorfose

Título: A Metamorfose
Autor: Franz Kafka
Páginas: 96 páginas
Editora: Companhia das Letras
A Metamorfose - A metamorfose é a mais célebre novela de Franz Kafka e uma das mais importantes de toda a história da literatura. Sem a menor cerimônia, o texto coloca o leitor diante de um caixeiro-viajante - o famoso Gregor Samsa - transformado em inseto monstruoso. A partir daí, a história é narrada com um realismo inesperado que associa o inverossímil e o senso de humor ao que é trágico, grotesco e cruel na condição humana - tudo no estilo transparente e perfeito desse mestre inconfundível da ficção universal.



Minha opinião:



Um livro de poucas páginas, apenas três capítulos, vocabulário simples e áspero, mas de uma grandiosidade imensurável. Não vejo outra maneira de descrever meu primeiro contato com as obras de Kafka.

O livro começa com a transformação de Gregor Samsa, um caixeiro viajante, em um monstruoso inseto. Era Gregor que sustentava a família composta pela mãe, o pai e uma irmã mais nova, Grete. Depois de sua metamorfose, vamos acompanhar a repercussão causada em toda a família e na vida de Gregor.

"Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso. Estava deitado sobre suas costas duras como couraça e, ao levantar um pouco a cabeça, viu seu ventre abaulado, marrom, dividido por nervuras arqueadas, no topo do qual a cobertura, prestes a deslizar de vez, ainda mal se sustinha. Suas numerosas pernas, lastimavelmente finas em comparação com o volume do resto do corpo, tremulavam desamparadas diante de seus olhos."
Página 7 (A Metamorfose)

É importante ressaltar que Gregor não se transforma em uma barata, em momento algum do livro o autor faz menção a este inseto, porém descreve detalhadamente o corpo de Gregor metamorfoseado, deixando, então, a critério do leitor imaginar no que Gregor se transformou. Acredito que pelas descrições e a repugnância com que ele é posteriormente tratado, a maioria o imagine como uma barata.

Kafka faz uma ferrenha crítica em todo seu livro, que está cheio de simbologias e metáforas. Logo no começo do livro vemos que, apesar de estar na forma de inseto, Gregor se preocupa somente em ir trabalhar e não perder o trem. Chega a ser absurda a reação da família. Eles o culpam por sua transformação e não se perguntam como aquilo aconteceu.

A maneira também como a família passa a se sustentar após a metamorfose também é revoltante. A mãe, asmática, que não podia trabalhar, passa a fazer costuras para fora. O pai, doente e aposentado, volta ao serviço. A irmã, protegida de Gregor e da família, passa a trabalhar numa loja. O que leva o leitor a se questionar quem realmente é parasitado no livro: Gregor quando humano ou a família por "Gregor-inseto"?

O autor joga muito com inversão de valores e com constantes questionamentos. Até que ponto essa família era realmente dependente de Gregor? A metamorfose foi apenas em Gregor ou a família também se transformou depois que ele virou um inseto?

O livro é profundo e seu final é tocante. Estava receosa quanto a leitura, mas admito que Kafka consegue derrubar qualquer obstáculo de mal julgado dentro de nós. Essa obra é capaz de alcançar diferentes públicos, falar com diferentes mentes e tocar a todas elas. Excelente leitura. Mais que recomendado!




4 comentários:

  1. Olha, gosto de livros profundos gostei da sua resenha, mas no momento estou querendo outro tipo de leitura, mas vou coloca-lo na lista. <3

    http://luxuosoestilo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha! Leia, sim! O livro é ótimo.
      Beijos

      Excluir
  2. Gostei bastante do seu resumo. Já li o livro e gostei bastante da escrita de Kafka.
    Porém, na tradução que eu li, existe uma parte na qual a terceira empregada entra no quarto de Gregor e se dirige a este com o vocativo "sua barata velha".
    Somente queria adicionar isso, pois já li bastantes resumos e nalguns Gregor é mencionado como sendo um besouro ou escaravelho. Noutros, porém, é mencionado o que mencionou, que Kafka nunca exprime o que Gregor é, realmente.
    De qualquer modo, gostei do seu resumo e considero visitar o seu blog para efeitos futuros.

    ResponderExcluir
  3. Pois eu fiquei com muita família, seu egoísmo, principalmente dos pais, isso vc pode ver no ultimo parágrafo, eles não são nenhum pouco "coitadinhos" não.

    ResponderExcluir



Visualizações

Arquivo

Categorias