Resenha: Avalon High

Título: Avalon High
Autor: Meg Cabot
Editora: Harper Collins Publisher
Páginas: 288 páginas
Traduzido: sim
Título da tradução: Avalon High
Editora brasileira: Galera Record
AVALON HIGH pode não ser exatamente o lugar onde Ellie gostaria de estudar, mas até que não é tão ruim assim. Uma escola americana normal, freqüentada pelos mesmos tipos de sempre: Lance, o esportista; Jennifer, a animadora de torcida; e Will, o presidente da turma, jogador talentoso, bom moço... e muito charmoso!
Mas nem todos em AVALON HIGH são o que parecem ser... nem mesmo Ellie, como ela logo vai descobrir. Depois de um esbarrão durante uma corrida no parque, os destinos de Ellie e Will parecem estar irremediavelmente entrelaçados. 

Ela começa a notar uma série de estranhas coincidências entre o seu cotidiano e a lenda do Rei Arthur – nomes similares, triângulos amorosos, sociedades secretas – mas qual seria seu verdadeiro papel nessa história? Como em Camelot, estariam seus novos amigos fadados a um trágico destino? E pior, o que ela pode fazer para impedir que uma profecia milenar se cumpra mais uma vez? 

Misturando fantasia, história e romance, Meg Cabot acerta mais uma vez. Uma versão inteligente e bem-humorada da lenda arthuriana.


Minha Opinião: 


Rei Arthur? Távola Redonda? Ensino Médio? Adolescentes? Como esses elementos podem se unir e dar certo? Meg Cabot o fez e aqui está a mais deliciosa prova de que tudo isso junto pode render uma excelente estória.

Elaine, ou Elle, é filha de professores especialistas em Idade Média, que tiram uma licença durante o período de um ano para pesquisar sobre seu assunto preferido: a lenda do Rei Arthur. Elle não só odeia a Idade Média como também toda a história do Rei Arthur e sua Corte.

Ela vai estudar em Avalon High, que parece uma escola de ensino médio americana completamente comum, porém, algumas coisas muito estranhas começam a acontecer por lá. Como se isso não bastasse, Elle se vê perdidamente apaixonada pelo jogador do time de futebol da escola: Will Wagner, mas ele está comprometido com a bela Jennifer Gold. Aos poucos tudo vai se transformando, ao ponto em que Elle começa a se questionar sobre sua nova escola e a corte do Rei Arthur.

Devo dizer que amei o livro desde o começo. A estória fluiu rapidamente e me transportou facilmente para o universo dos colégios norte-americanos, com os jogadores do time de futebol americano, as líderes de torcida, os campeonatos, e tudo o mais. Meg inseriu o ambiente de maneira natural e bastante realista, eu reconhecia os elementos colegiais sem esforço e me senti inserida.

"I thought teenagers are supposed to think they know everything. And I've never been more sure in my life that I don't know anything at all."
Página 119 (Avalon High)

Os personagens são um ganho ao leitor. Elle é engraçada e irônica, mas também forte, é uma protagonista fácil de se apegar, sem frescuras ou nada do gênero. Will passa o que eu já esperava do clichê mocinho dos colégios: é bonito, forte, inteligente, educado e divertido. Neste ponto, o personagem é bastante clichê, mas ele acabou me agradando. Jennifer teve um papel bastante significativo na estória, apesar de ser um personagem secundário. Lance me agradou, pois em suas poucas aparições pude sentir seu caráter e sua amizade por Will. Marco foi um petulante vilão, do qual o leitor terá raiva durante todo o livro.

Ela é muito engraçada e traz uma leveza ao livro que faz com que não queiramos largar a leitura. Narrado em primeira pessoa, Avalon High tem um ótimo ponto de vista, além de ser bastante convincente.

Este é, até o momento, o melhor livro de Meg Cabot que já li. Ele é rápido, engraçado, leve e muito criativo. Há bastante do clichê na estória, isso não se pode negar. Mas é o tipo de livro para se distrair. Recomendo a leitura.


P.S.: Fiz a leitura em inglês, mas o livro tá foi traduzido para o Brasil. Se quiser saber mais (título traduzido, editora), veja as informações ao lado da capa do livro no começo do post. ;)

0 comentários:

Postar um comentário



Visualizações

Arquivo

Categorias