Instante com o Autor: Ana Paula Seixlack




Hoje, vamos conhecer um pouco com a Ana Paula Seixlack, autora do livro Cowabunga! – Desventuras de um Ex-surfista. Estou encantada com seu livro e sua fofura. Descobri muitos dos seus sonhos e interesses, com os quais, tenho certeza, muitos de seus leitores irão se surpreender e se identificar. Por isso quero apresentar-lhes para mais este talento nacional!



1) Além de Cowabunga! você também escreveu outros livros. Quando começou esta paixão pela escrita?
Aos cinco anos. Eu e minha irmã gostávamos de fabricar nossos próprios livrinhos em casa. Mas até então, isso era uma brincadeira. Quando eu tinha onze anos, descobri que queria publicar um livro, pois vi que a então atriz mirim da Globo Carolina Pavanelli tinha escrito um livro e fiquei pensando que se ela tinha a mesma idade que eu e já havia publicado, talvez eu também pudesse fazer o mesmo. Nessa mesma época, alguns autores consagrados foram a minha escola dar palestras, como Álvaro Cardoso Gomes e Pedro Bandeira, e isso só reforçou minha vontade de ser escritora. Mas, por outro lado, eu não via muita saída. A internet estava apenas começando. Não havia editoras em minha cidade e eu não podia procurar em outros lugares. Tudo era mais inacessível.



2) Como leitora, você se identifica com qual gênero?
Eu não tenho um gênero preferido. Gosto de variar. Se termino de ler um romance, por exemplo, o próximo pode ser um livro de terror, depois um de aventura, e assim vai...


3) A carga de músicas, filmes e citações relacionadas aos anos sessenta e setenta são muito influentes no livro. Onde você se inspirou para compor este cenário?
Eu adoro os anos sessenta. Esse é o principal cenário que vem a minha mente quando vou escrever algo. Eu tenho que me inspirar é para escrever sobre alguma coisa diferente.









4) Zimbo adora surfar e entende muito do assunto. Você também gosta de surfar?
Gosto, mas não entendo muito do assunto na prática. (risos)



5) Zimbo é um personagem muito peculiar. Você se inspirou em alguém para compô-lo? E os outros personagens?
Não. Saíram todos da minha cachola mesmo.

6) Você morou na Califórnia. Fale um pouco sobre a experiência.
Morei na Califórnia, em Santa Barbara, por apenas três meses, mas foram os melhores três meses ever. Estudava e trabalhava. Trabalhei no Festival de Cinema de Santa Barbara, que era uma loucura total. E nas horas de folga, passeava. Tentava viver um American Way of Life enquanto estava por lá. Fui a shows dos Beach Boys, que é minha banda favorita, conheci várias pessoas, lancei um livro lá, o Don't back down from that wave, e tentei aprender a surfar. Tentei.

7) O mercado editorial é bastante competitivo, mas atualmente as editoras estão se voltando mais para os escritores nacionais. Demorou para que as editoras se interessassem por sua obra?
Na verdade, tive um pouco de sorte nesta primeira empreitada. Não mandei o livro para outras editoras. Enviei a obra apenas para um concurso literário da Benvirá. Então me ligaram da Saraiva falando que gostariam de publicá-lo.

8) Como foi o processo de escrita de Cowabunga!?

Demorado! Comecei a escrevê-lo quando estava no primeiro ano de faculdade, durante uma aula que não conseguia atrair minha atenção. Era para ter sido só um conto, mas depois fui desenvolvendo o enredo até virar um livro. Fui pesquisando sobre o esporte, tirando minhas dúvidas com quem entendia do assunto, fui aprendendo aos poucos. Até porque eu não sou surfista. Ainda.

9) O trabalho da capa ficou muito bom, traduz muito da leveza do livro. Você deu muitos “pitacos” neste processo de editoração?
Na verdade, não. A editora me mandou três modelos para escolher um. E eu escolhi. Essa foi toda a minha participação no processo. Aliás, os três modelos sugeridos eram interessantes, mas o vencedor foi mesmo imbatível.

10) O número de leitores de Cowabunga! está aumentando. Você imaginava que seria tão rápido?
Eu não fazia ideia de como seria, aliás, ainda não faço...

11) Qual seu personagem favorito em Cowabunga!?
Em primeiro lugar, o Zimbo. Depois dele, o João – a criança bagunceira que adora atormentá-lo.

12) Está escrevendo algum livro ou tem algum projeto novo? Caso sim, conte-nos um pouco sobre ele.
Sim, escrevi um livro em parceria com minha irmã. Chama-se Solidão na corda bamba, e aborda o bullying, mas de uma maneira bem divertida e cômica. Vamos lançá-lo em maio. E também estou escrevendo um romance com um amigo da Suíça. O livro se chamará Follow the wind e retratará uma aventura nos Alpes Suíços.
(Todos ansiosos!)

13) Algum conselho para quem tem o sonho de ser escritor, ou está com sua obra prontinha escondida na gaveta?
Arregaçar as mangas e ir à luta. Quem sonha em ser escritor, mas tem preguiça de escrever – situação perfeitamente normal – precisa continuar mesmo assim, nem que tenha que arrastar a escrita até chegar ao ponto final. E depois de pronto, claro, tem que polir e editar a história, mas isso é bem mais fácil quando você sabe que a obra já tem começo, meio e fim. E para quem já está com o livro pronto e devidamente engavetado, é hora de desengavetá-lo e correr atrás de alguma forma de publicação, seja tradicional, independente ou virtual.


14) Quais seus ídolos (música, filmes, literatura, etc.)?
Eu coleciono ídolos. E minha coleção não é nem um pouco modesta, devo dizer. Então vou citar só uma dúzia para não dar início a uma tarefa sem fim aqui: Bob Dylan, The Beach Boys, Simon & Garfunkel, Elvis Presley, Serge Gainsbourg... É, já foi quase metade da lista só com músicos... Continuando: Ernest Hemingway, Salvador Dalí, Stephen King, o grupo Monty Python, Jack Nicholson, Arnold Schwarzenegger, Eddie Guerrero e Machado de Assis.

15) Com uma rápida pesquisa percebemos muitas opiniões positivas dos leitores. Você esperava tamanho retorno? Como se sente em ver seu trabalho tão valorizado na blogosfera literária?
Eu imaginava que se as pessoas lessem o livro, elas iriam gostar dele. Mas não fazia ideia se alguém iria, de fato, ler Cowabunga! Desventuras de um ex-surfista.

16) Em minha opinião, Cowabunga! é capaz de agradar os mais diversos públicos, encaixando-se muito bem em Young Adult, mas com bons toques do universo adulto, entretanto qual foi o seu público alvo quando estava compondo a obra?
Os adultos em geral. Não só jovens adultos, mas adultos de qualquer idade. Embora esse tipo de classificação não afaste também os adolescentes.

17) Gostaria de pedir para que você mande um recado para seus leitores com total liberdade.
Eu queria agradecer a todos que já parafinaram suas pranchas e surfaram pelas páginas de Cowabunga! e gostaria de convidar os que ainda não fizeram isso para se juntarem à festa.




Agradeço muito pela entrevista concedida e pelo envio de um exemplar do livro para resenha, além de toda a atenção e carinho que você disponibilizou-me. Desejo muito sucesso para você e pode contar sempre com o Instante do Livro. Estamos ansiosos por seus próximos trabalhos.



Caso queira saber mais sobre a Ana Paula Seixlack clique aqui. Caso queira conhecer a obra clique aqui ou aqui. Caso queira ver a minha resenha do livro Cowabunga! basta clicar aqui.





6 comentários:

  1. Bem bacana a entrevista e as fotos dela, principalmente a da loja de discos. COWABUNGAAA!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Carlos. As fotos ficaram bem legais mesmo! :D COWABUNGA! rsrs

      Excluir
  2. Adorei a entrevista. Ficou sensacional. Essa escritora é muito talentosa e foge do senso comum.
    Ja li Cowabunga! e foi um dos livros mais gostosos, viciantes e interessante que já li. Super recomendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Ana Paula é mesmo uma fofa! Muito criativa e divertida, ela deixou a entrevista bem dinâmica. Fico feliz que tenha gostado da entrevista. :D

      Excluir
  3. Muito divertida a entrevista. Amei as fotos..
    Para quem ainda não leu o livro, recomendo demais: é muuuuito divertido, historia leve, supreende, cheio de referencias às praias catarienenses e muito anos 60!
    Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado, Nalia! :) O livro é realmente muito bom e a autora foi muito fofa na entrevista.
      Beijo

      Excluir



Visualizações

Arquivo

Categorias